A INTEGRAÇÃO DO DESIGN NAS EMPRESAS DE CONSULTORIA

Nos últimos anos o design tem sido considerado um dos principais fatores de diferenciação das organizações, tendo ganho uma visibilidade muito significativa através dos produtos da Apple ou de startups tecnológicas com o AirBnB. O próprio conceito de design é hoje muito mais abrangente, evoluindo do tradicional desenho de produtos e embalagens para o desenho de marcas, modelos de negócio, serviços, estratégias corporativas e experiência de utilização como um todo.

À medida que conceitos como user experience, service design, human centered design ou design thinking têm cada vez mais relevância, grandes consultoras e empresas de tecnologia têm vindo a adquirir empresas de design. Alguns exemplos recentes destas aquisições são:

  • EY – Seren
  • Mckinsey – Lunar
  • Wipro Digital – DesignIT
  • Accenture – Fjord
  • CapitalOne – Adaptive Path
  • Facebook – Hotstudio
  • PwC – BGT

Para além destas aquisições muitas empresas estão a criar equipas internas, como a IBM que se estima ter neste momento a maior equipa de design do mundo.

Enquanto as aquisições por empresas tecnológicas ou por grandes grupos de publicidade sejam facilmente compreensíveis, esta tendência recente de incorporação destas competências em empresas de consultoria, e até alguns bancos, não é tão óbvia, mas tem um conjunto de vantagens muito relevantes.

As empresas de consultoria veem nestas aquisições uma oportunidade de melhorar os seus serviços, com uma área de ação mais global e uma maior capacidade de acrescentar mais valor incorporando conceitos de gestão, design e engenharia para entregar aos seus clientes um serviço abrangente, desde a definição da estratégia à conceção dos produtos/serviços e respetiva implementação. Esta estratégia é igualmente uma oportunidade para se manterem competitivas e não perderem receitas em áreas que já faziam parte da sua oferta e nas quais passaram a ter concorrência de empresas inovadoras ao nível do design que incorporaram competências de consultoria de negócio. A empresa IDEO, uma referência no design thinking é um exemplo disso.

Ainda que muitas das aquisições referidas esteja focada na capacidade de prestar serviços na área digital e em implementar as iniciativas de transformação digital, os serviços vão muito para além da experiência digital. Desta forma os principais benefícios procurados pelas empresas de consultoria que incorporam equipas de design são:

  • Aplicar novos métodos na conceção e desenho de produtos
  • Integrar o design na formulação estratégica de longo-prazo
  • Aumentar o portfolio de serviços
  • Renovar e modernizar a oferta de serviços existente
  • Apoiar os clientes na transformação da experiência dos consumidores em todos os canais promovendo a satisfação do cliente, fidelidade, aumento da receita e da quota de mercado
  • Aumentar a capacidade para a realização de projetos de transformação digital
  • Dispor de know-how para implementar as estratégias propostas aos clientes
  • Ter acesso a um conjunto de talentos com expertise na área do design

A LCG está também a desenvolver a sua oferta nesta área através de uma parceria já estabelecida com um especialista em design thinking. Esta parceria permitiu recentemente a apresentação de uma proposta neste tema a um banco presente no mercado português e espera que esta oferta tenha uma grande aceitação nos mercados em que atua.

Referências:

Big Corporations Are Buying Design Firms in Droves, WIRED (2013) – http://www.wired.com/2013/05/accenture-fjord/

The Rapidly Disappearing Business of Design, WIRED (2014) - http://www.wired.com/2014/12/disappearing-business-of-design/

Consulting Giant McKinsey Buys Itself a Top Design Firm, WIRED (2015) – http://www.wired.com/2015/05/consulting-giant-mckinsey-bought-top-design-firm/